• 20160830_085747.jpg
  • 20160830_085830.jpg
  • 20160830_090251.jpg
  • 20160830_090216.jpg
  • 20160830_085847.jpg

Banca examinadora de Qualificação de doutorado do aluno CARLOS HENRIQUE JUVÊNCIO

 

Título: MANOEL CÍCERO PEREGRINO DA SILVA E A DOCUMENTAÇÃO NO BRASIL: Gênese e ideais

 

Data: 25 de novembro de 2015

Horário: 14h30

Local: Auditório

 

Banca Examinadora de QUALIFICAÇÃOde Doutorado

Presidente: Prof.ª Dr.ª Georgete Medleg Rodrigues

Membro Titular: Prof.ª Dr.ª Tereza Cristina Kirschner

Membro Titular: Prof.ª Dr.ª Eliane Braga de Oliveira

Membro Suplente: Prof.º Dr.º Rodrigo Rabello

 

 

Resumo: Os belgas Paul Otlet e Henri La Fonatine, em finais do século XIX, criam o Instituto Internacional de Bibliografia que, para além de criar uma grande fonte de informação universal, foi pioneiro na adoção de novos modos de tratamento dos acervos documentais, sobretudo na Europa e América, inaugurando a concepção de Documentação. Manoel Cícero Peregrino da Silva foi diretor da Biblioteca Nacional brasileira entre os anos de 1900 e 1924, adotando várias mudanças na instituição como a inauguração de um novo prédio, reorganização de seu acervo, criação de novos serviços e, em certa medida, parecendo seguir a trilha de Otlet e La Fontaine. Esta tese busca fazer um inventário das ações de Manoel Cícero Peregrino da Silva e em que medida essas ações contribuíram para a Documentação no Brasil e seu engajamento nos ideais de paz de Paul Otlet e La Fontaine, por meio da análise de sua trajetória como intelectual e de sua atuação na direção da Biblioteca, bem como do contexto político nacional. Trata-se de uma pesquisa quali-quantitativa, histórico-documental, baseada na documentação de diferentes arquivos brasileiros e no arquivo do Mundaneum, na Bélgica. Como referencial teórico, adotamos a concepção de alguns autores sobre o papel dos intelectuais na sociedade, sobre o desenvolvimento da ciência no Brasil e a sociedade brasileira à época. Para compreender os ideais de Paul Otlet e Henri La Fontaine recorremos aos escritos do próprio Otlet, à Mattelart, Rayward, Fayet-Scribe, Blanquet e Wright. Com relação às origens da Documentação no Brasil foram selecionados textos de Oddone, Ortega, Sambaquy, Fonseca e Castro. Como resultados preliminares, percebemos que o papel intelectual de Peregrino da Silva frente à Biblioteca Nacional, fez da instituição um polo para onde confluíam as discussões intelectuais no período, sobretudo pela ausência de universidades no país e que Peregrino, antenado com esses movimentos internacionais, percebe o momento propício da situação política nacional para que suas ideias sejam implementadas.

Palavras-chave:Biblioteca Nacional. Instituto Internacional de Bibliografia. Documentação. Henri La Fontaine. Manoel Cícero Peregrino da Silva. Paul Otlet.