• 20160830_090216.jpg
  • 20160830_085830.jpg
  • 20160830_085847.jpg
  • 20160830_090251.jpg
  • 20160830_085747.jpg

Qualificação de Doutorado


Título: Expologia, história das exposições e musealização: a importância da documentação sobre exposições em museus de arte moderna criados na primeira metade do século XX.

 

Aluna: Monique Batista Magaldi
Data: 19 de setembro de 2016
Horário: 14h30
Local: Sala 120

 

Banca Examinadora de Qualificação de Doutorado

Presidente: Emerson Dionísio Gomes de Oliveira (UnB/PPGCINF)
Membro Titular Externo ao PPGCInf: Ana Elisabet de Almeida Medeiros (UnB/FAU/THA)
Membro Titular: Ana Lúcia de Abreu Gomes (FCI/PPGCINF)
Membro Suplente: Nelson Fernando Inocêncio da Silva (UnB/IdA/VIS)

Resumo:

A pesquisa propõe compreender a contribuição da documentação sobre exposições para estudos em Expologia e história das exposições, a partir da documentação resultante de experiências de releitura de exposições realizadas em museus brasileiros de arte, criados na primeira metade do século XX. Os documentos originados das exposições são considerados como sendo relevantes para o histórico institucional, podem ser projetos, relatórios e/ ou dossiês, impressos e digitais, de diferentes setores envolvidos; cartas impressas e correios eletrônicos; lista de acervos selecionados e expostos; fotografias e filmagens do acervo e das salas da exposição; planta-baixa; filmagens com registros de pesquisas; falas dos curadores envolvidos e convidados para refletir sobre as atividades desenvolvidas (pelos setores de curadoria, educativo, pesquisa, entre outros); Atas; clippings; entre outros documentos. Os referidos documentos tanto podem ser documentados nos arquivos, bibliotecas, setores de documentação de acervo museológico, setor de expografia e/ou pesquisa. Em alguns museus, a documentação é dividida em diferentes setores. Enquanto patrimônio efêmero nos museus, a documentação sobre exposições poderia ser compreendida como parte do processo de musealização, enquanto patrimônio musealizado, mas que pode ser processada tanto nos arquivos quanto em bibliotecas e setores de documentação museológica existentes nos museus de arte, sendo, assim, um tema de interesse tanto para a Arquivologia quanto para Biblioteconomia e Museologia. Estudos desenvolvidos até o momento sobre o tema relacionam a referida documentação à história das exposições e dos museus de arte. A Expologia seria um conceito pouco difundido no Brasil, aparecendo ora como campo autônomo, ora como uma subárea da Museologia e que trataria sobre a teoria das exposições. Deste modo, acredita-se que a referida documentação é uma importante fonte de reflexão para o campo da Ciência da Informação e da Museologia. O objetivo é analisar a importância da documentação sobre exposições em museus de arte moderna para estudos em Expologia, enquanto subárea da Museologia. O resultado esperado é apresentar contribuições teórico-conceituais a partir de recorte temporal e temático, baseado na documentação de exposições desenvolvidas a partir de releituras, realizadas entre 2006 e 2016, de exposições em museus brasileiros de arte criados na primeira metade do século XX, existentes no eixo Rio-São Paulo: Pinacoteca do Estado de São Paulo, criado em 1905, Museu Nacional de Belas Artes (MNBA), criado em 1937, Museu de Arte de São Paulo (MASP), de 1947, Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM/SP) e Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM/RJ), ambos fundados em 1948.