• 20160830_085847.jpg
  • 20160830_090251.jpg
  • 20160830_085830.jpg
  • 20160830_085747.jpg
  • 20160830_090216.jpg

Defesa de Doutorado

 

Título: Diretrizes para uma política de gestão de dados científicos no Brasil

Aluna:  MAÍRA MURRIETA COSTA

Data: 18/08

Horário: 14h

Local: Sala PPGCINF

Banca Examinadora de Defesa de Tese de Doutorado

Presidente: Murilo Bastos da Cunha

Membro Titular Externo à Universidade de Brasília: Rubens de Oliveira Martins

Membro Titular Externo ao PPGCINF: Luana Farias Sales

Membro Titular: Jayme Leiro

Membro Suplente: Fernando William Cruz

 

 

Resumo:

Contextualiza a organização social da ciência contemporânea. Discute aspectos sobre a ciência colaborativa do Século XXI, a internacionalização e a virtualização da ciência que culminaram com a explosão de dados científicos coletados on-line, dando origem ao fenômeno de big data e e-science. Discute o surgimento dos termos guarda-chuva e-science e cyberinfrastructure. Contextualiza a literatura sobre dados de pesquisa/ dados científicos e argumenta sobre a necessidade da estruturação de políticas públicas que norteiem a gestão dos dados científicos oriundos da e-science, visto que, do ponto da gestão da informação, faz-se necessário apontar soluções para um tratamento adequado dos dados científicos de forma a viabilizar o processo de armazenamento, organização, busca, recuperação e difusão dos dados coletados, em grande escala, por instrumentos tecnológicos tais como telescópios, satélites, sensores especializados, dentre outros. Nesse aspecto, relembra que a preocupação da informação científica está na origem da ciência da informação, logo discute o papel do profissional da informação no tratamento dos dados oriundos da e-science. Também são contextualizados na revisão de literatura a política brasileira de ciência e tecnologia, bem como a política de informação. O estudo apresenta como objetivo geral – identificar as ações de governo para a gestão de dados científicos em países desenvolvidos, de forma a viabilizar a elaboração de um conjunto de diretrizes para a gestão de dados científicos no Brasil. Para tanto, desenharam-se os seguintes objetivos específicos: OE 1) Identificar os países desenvolvidos que possuem ações de governo para a gestão de dados científicos, OE 2) Analisar as ações de governo de países desenvolvidos sobre a gestão de dados científicos nos países identificados, OE 3) Identificar os principais problemas e as soluções inerentes à construção de uma política estruturada para a gestão de dados científicos, OE 4) Identificar a postura das agências de fomento no Brasil com relação ao tema, OE 5) Identificar o posicionamento dos pesquisadores brasileiros envolvidos com o tema e, OE 6) Elaborar um esboço de diretrizes para a gestão de dados científicos no Brasil. Discursa sobre a primeira fase da pesquisa, marcada pela necessidade de nortear a busca bibliográfica de forma a identificar as políticas nacionais de gestão de dados científicos nos países mais avançados em e-science. Informa que para tanto foi realizada uma pesquisa descritiva e de levantamento (survey), que utilizou a bibliometria, um método quantitativo baseado em análises estatísticas, para análise de dados. O estudo analisou o termo e-science nas bases de dados Library Information Science Abstracts e Library Information, Science Technology Abstracts. Discorre sobre a metodologia da pesquisa, classificando-a como exploratória, com características quantitativas e qualitativas na coleta de dados, portanto uma pesquisa mista. Informa que a amostra da pesquisa é não probabilística, formada pelo critério de intencionalidade. Foram entrevistados 40 pesquisadores doutores envolvidos com a gestão de dados científicos no Brasil. Além deles, foi aplicado questionário a 22 servidores de agências de fomento e fundações de amparo à pesquisa no Brasil. No aspecto qualitativo da análise dos dados, tece considerações sobre a abordagem de investigação utilizada – a Grounded Theory. O estudo argumenta que o Brasil carece de uma política explícita que norteie as ações do Estado em termos de gestão e preservação dos dados científicos, bem como diretrizes para reutilização dos dados em questão. Em termos de iniciativas nacionais, tem-se apenas a referente a informação geoespacial já estabelecida em Decreto 6.666 de 2008. Além desta, a outra iniciativa de destaque é a informação sobre biodiversidade trabalhada no Portal Brasileiro da Biodversidade. Também apresenta o edital da FAPESP em e-science como iniciativa relevante na área. Apresenta um framework com itens considerados de extrema relevância para a elaboração de um conjunto de diretrizes que venham a servir de elementos norteadores para a elaboração de uma política para a gestão de dados científicos no Brasil. Conclui que uma uma política de gestão de dados precisa abordar aspectos tais como: regras de compartilhamento e reuso dos dados, prazo de carência para algumas categorias de dados, prazo de armazenamento para algumas classes de dados, padrões de metadados e interoperabilidade destes. Além disso, deve exigir do pesquisador um plano de gestão de dados quando a pesquisa for fomentada pelo governo, bem como definir os requisitos necessários para a implementação do DOI para dados a exemplo das questões relacionadas no framework.

Palavras-chave: : big data, biblioteca digital, data deluge, e-science, cyberinfrastructure, dados científicos, dados de pesquisa, gestão de dados científicos